Exame de toque é necessário?

Câncer de próstata: é necessário o exame de toque?

Veja quando optar pelo exame de toque ou de sangue e as principais dúvidas dos pacientes

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima-se quase 66 mil novos casos de câncer de próstata em 2020.

Esse tipo de câncer é o segundo mais letal entre os brasileiros, o que poderia ser diferente se os pacientes se conscientizassem sobre o temido “Exame de Toque” e recebessem o diagnóstico mais cedo.

Apesar dos benefícios nem todo homem se convence a fazer os exames necessários, seja por medo, preconceito ou dúvidas sobre qual exame é mais adequado para o seu caso.

Se essa também é sua dúvida ou você quer entender melhor sobre o assunto, explicarei melhor a seguir.

 

O câncer de próstata pode ser encontrado cedo?

Sim! E deve, o quanto antes você diagnosticar o problema, melhor será seu tratamento.

Todos os dias surgem métodos e pesquisas que visam facilitar o diagnóstico do câncer de próstata, inclusive antes que os pacientes comecem a apresentar sintomas.

Para alguns tipos de câncer, isso é possível através dos exames. Muitos deles apontam para a detecção precoce, ou seja, em estágio inicial, quando é provável que sejam mais fáceis de tratar.

Por isso, o importante é fazer acompanhamento regular com o médico urologista, iniciando em torno de 40 a 50 anos, ou até mais cedo se o seu pai, avôs ou tios tiveram tumores malignos.

Por que fazer exames de próstata?

Como os sintomas podem levar muito tempo para aparecer, a espera pode levar ao agravamento do caso.

Ao fazer os exames regularmente, o paciente tem maiores chances de encontrar o tumor num estágio mais recente e mais tratável, do que se nenhum exame tivesse sido realizado.

 

Tipos de exames para o câncer de próstata

O câncer de próstata geralmente pode ser encontrado ao testarmos os níveis de antígeno prostático específico (PSA) no sangue do paciente. Outra maneira de identifica-lo é o exame retal digital (DRE).

Se o resultado de qualquer um desses testes for anormal, são necessários exames adicionais, como a biópsia da próstata.

Entenda melhor como eles funcionam:

-Exame retal digital (DRE):

Durante o procedimento o paciente deve despir-se da cintura para baixo, deitar-se do lado esquerdo e elevar os joelhos até o peito ou se levantar e encostar-se sobre uma mesa. Logo em seguida, com o uso de luvas e lubrificante, o médico avalia o tamanho da próstata e verifica a presença de inchaços, tecidos e outras anormalidades. O exame DRE geralmente é indolor, mas pode ser um pouco desconfortável. Leva apenas alguns minutos para concluir.

Pode haver um pequeno sangramento ou desconforto, principalmente se o paciente tiver hemorroidas e/ou fissuras anais. Mas se o sangramento persistir ou for significativo, o médico deverá ser consultado imediatamente.

Após o exame o paciente poderá voltar às suas atividades normalmente.

Se forem detectadas alterações na próstata, isso não significa necessariamente que o paciente tem câncer, podem ser nódulos derivados de outras condições.

É ideal que o paciente informe a equipe de saúde se sofre com hemorroidas ou fissuras anais, pois o exame pode agravá-las.

-Teste PSA:

Este exame de sangue mede a quantidade de PSA (antígeno prostático específico) que a próstata produz. Parte desse antígeno é liberado na corrente sanguínea e aparece durante o teste.

Níveis altos de PSA podem indicar câncer de próstata, assim como várias outras condições. Dessa forma, níveis altos não significam necessariamente um caso de câncer.

 

Como interpretar os resultados dos exames?

É normal que o paciente fique ansioso e queira saber seus resultados o mais rápido possível. No entanto, ele deve consultar seu médico que explicará todas as possíveis alterações encontradas no exame.

No caso do teste PSA, algumas diretrizes ajudam a determinar o diagnóstico, como:

Níveis normais: homens adultos e saudáveis devem apresentar níveis de até 2,50 nanogramas por mililitro (ng / ml).

Níveis limites: pacientes com níveis até 10 ng / ml devem ser monitorados, pois há 1 chance em 4 de que o câncer esteja presente.

Níveis altos: se os níveis de PSA estiverem acima de 10 ng / ml, há 50% de chance de um diagnóstico de câncer de próstata. O especialista provavelmente recomendará mais testes, incluindo uma biópsia da próstata.

No caso de alteração nos exames de PSA ou toque retal, exames de ressonância magnética e biópsia da próstata são solicitados para concluir o diagnóstico.

Resultados inconclusivos

Apesar de muito importantes, os resultados dos exames não são 100% conclusivos e dependem de uma avaliação minuciosa do especialista.

Na maioria das vezes o paciente possui um resultado elevado de PSA e posteriormente surge alguma alteração no toque retal, mas em 20% dos casos o PSA é normal e o toque retal está alterado, por isso é importante fazer os dois exames de triagem e não apenas o PSA.

Às vezes, esses exames podem apresentar resultados anormais, mesmo quando o paciente não tem câncer (conhecido como resultado falso-positivo).

A Hiperplasia Prostática Benigna (aumento da próstata) começa a ser mais comum a partir dos 40 anos e isso faz com os níveis de PSA aumentem mais do que o normal. Ou seja, o exame pode apontar um nível de PSA alto, mas não necessariamente indicar um câncer, e sim um aumento da próstata.

Já falei mais sobre isso no post: O que é e como tratar a Hiperplasia Prostática Benigna.

Ao mesmo tempo, não é possível descartar todas as opções, por isso são realizados diferentes exames para se ter um diagnóstico definitivo, principalmente o “Exame de Toque”.

Além disso, alguns medicamentos também podem reduzir os níveis de PSA, incluindo aspirinas, estatinas (que ajudam a controlar o nível do colesterol), diuréticos tiazídicos (um tipo de pílula de água que pode ajudar a reduzir a pressão alta), alguns outros medicamentos e suplementos de ervas.

O que fazer então?

No Brasil, quase 40% dos homens até 39 anos e 20% daqueles com mais de 40, só vão ao médico quando se sentem mal. Boa parte deles não tem ideia de como anda o coração nem faz exames urológicos. Isso evidencia que a maioria dos homens não tem o hábito de cuidar da saúde.

Assim, o primeiro passo é começar a fazer avaliações médicas periódicas e os exames preventivos, tão importantes para manter a saúde em dia.

Um acompanhamento regular com um urologista também é fundamental para diagnosticar quaisquer problemas do sistema urinário, como pedras nos rins, infertilidade e outras inflamações.

Lembre-se que a saúde é um aspecto muito amplo, e por isso, o checkup periódico é muito importante.

Atualmente, meus atendimentos são realizados nos seguintes locais:

  • Hospital da Unimed
  • Hospital das Clínicas da UFMG
  • Hospital Vera Cruz
  • Hospital Universitário de Ciências Médicas em Belo Horizonte

Para marcar uma consulta e ser avaliado adequadamente, ligue para: (31) 3097-1308 ou entre em contato pelo e-mail: contatodrmax@gmail.com

Para ficar por dentro do conteúdo de urologia e sexologia, me acompanhe nas redes sociais: @doutormax

0 respostas

Deixe uma resposta

Participe da discussão.
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *