Como a dispareunia pode afetar a intimidade?

Boa parte das mulheres sofrem de disfunções sexuais, mas evitam falar sobre o assunto, seja por constrangimento, tabu, ou porque se sentem repreendidas por seus parceiros.

Sexo é sinônimo de qualidade de vida, inclusive pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que classifica sexualidade como um dos critérios a ser considerado ao avaliar a qualidade de vida individual.

Neste sentido, é imprescindível falar sobre disfunções sexuais que acometem homens e mulheres, para que o conhecimento se torne mais abrangente e tenha suas causas e tratamentos identificados.

Um exemplo de disfunção sexual, que pode afetar consideravelmente a qualidade da vida sexual de um paciente, é a dispareunia, uma condição que acomete homens e mulheres, embora seja mais frequente nas mulheres.

Mas o que é a dispareunia?

dispareunia é uma disfunção sexual que acomete até 18% do público feminino no Brasil.

Essa disfunção é caracterizada pela dor genital ou pélvica durante as relações sexuais, que possui uma intensidade variante de superficial a intensa.

Dispareunia Superficial: localizada na entrada da vagina, em que as dores podem ser consequências de infecções ginecológicas vulvovaginais ou pelo fungo fungo cândida albicans.

Dispareunia Intensa: pode ocorrer dependendo da posição durante o ato sexual ou em decorrência de aderências entre os órgãos internos. Casos em que a mulher é acometida por infecção pélvica aguda, também podem causar a dispareunia.

Para que este distúrbio seja diagnosticado como dispareunia, a dor provocada deve causar sofrimento no ato sexual, e não apenas falta de lubrificação vaginal, o que se configuraria em outro problema (vaginismo).

Em consequência desta disfunção, muitas mulheres acabam rejeitando a prática de relações sexuais, comprometendo assim, as suas relações afetivas.

Tipos de dispareunia

Podemos encontrar as seguintes incidências desta disfunção sexual:

  1. Primária: casos em que o problema ocorre desde sempre, ou seja, desde a primeira relação sexual da mulher ou do homem.

  2. Secundária: casos em que a relação manteve-se normal por um tempo e a partir de determinado período da vida, iniciaram as dores intensas no ato sexual.

  3. Situacional: casos em que a dispareunia aparece esporadicamente, dependendo da relação sexual ou do parceiro.

  4. Generalizada: neste caso a mulher fica impossibilitada de ter relações sexuais com penetração, pois a dor é intensa e desconfortável.

O que pode causar a Dispareunia?

Existem dois fatores causais para a dispareunia, são eles: os orgânicos e os psicológicos.

Lembrando que a causa da disfunção, nunca ocorre de maneira isolada, ou seja, pode se originar a partir da interação de um conjunto de fatores.

– Fatores orgânicos:

  • Doenças que afetam a região do ânus;

  • Irritação ou infecção do clitóris;

  • Infecção urinária;

  • Candidíase;

  • Tricomoníase;

  • Doenças de pele que afetam a região genital.

  • Doenças sexualmente transmissíveis (cancro mole, granuloma inguinal, etc)

  • Nos homens pode ser em decorrência de fimoses, doenças de pele, herpes genital, doenças do testículo e próstata.

– Fatores Psicológicos:

  • Falta de desejo sexual;

  • Experiências traumáticas na infância relacionadas à sexualidade;

  • Dificuldade de aceitação da sexualidade;

  • Crenças morais e religiosas;

  • Educação repressiva.

  • Medos e Tabus;

  • Desinformação;

  • Receio de machucar o bebê durante a gestação.

Dispareunia na Intimidade

É necessário compreender que pacientes que sofrem com a dispaneunia, sentem muito incômodo na entrada, dentro ou no fundo da vagina durante o ato sexual.

vagina possui paredes uterinas coladas umas nas outras quando não está sob estímulo sexual. Quando excitada, a região feminina interna se expande e aumenta sua profundidade, para facilitar penetração.

Durante esse processo natural, a dispareunia pode ocasionar dor intensa. A repetição do evento pode fazer com que a paciente associe o ato sexual ao sofrimento provocado pelo distúrbio, e assim, desista de manter relações sexuais.

É importante ressaltar que diante de causas orgânicas, mesmo investindo em preliminares ou em outras formas de estímulos, a dor pode persistir enquanto o problema não for devidamente tratado.

Logo, a solução para voltar a ter uma vida íntima saudável é procurar auxílio médico, e assim, receber o diagnóstico e prosseguir para o tratamento da disfunção sexual.

Tratamento

Se a dispareunia estiver associada a um problema físico, como em decorrência de doenças ou infecções, pode ser necessária a prescrição de medicamentos ou, até mesmo, a realização de procedimentos cirúrgicos que possam recuperar a região.

No caso de dispareunia suscitado por motivos psicológicos, recomenda-se o acompanhamento constante de sessões de Terapia Sexual, que possam trabalhar o evento sexual diante de medos ou traumas psicológicos vividos pela paciente.

Você sofre ou já sofreu com algum dos sintomas acima? Conte nos comentários como foi seu tratamento.

Para consulta e diagnóstico, agende uma avaliação.

0 respostas

Deixe uma resposta

Participe da discussão.
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *