O que você sabe sobre zonas erógenas?

Conheças os principais pontos de excitação para ter uma relação ainda mais prazerosa.​

Você com certeza já sentiu um arrepio ou um turbilhão de sensações depois receber um toque em determinadas áreas do corpo, não é mesmo? Você já parou para pensar um pouco mais sobre como essas reações acontecem, ou o que elas significam?

 

Zonas Erógenas Primárias:

As zonas erógenas mais conhecidas do corpo possuem grande quantidade de terminações nervosas, sendo bastante famosas em ambos os sexos: os genitais, as nádegas, ânus, períneo, seios (principalmente os mamilos), parte interna das coxas, axilas, umbigo, pescoço, orelhas e a boca.

Especialmente nas mulheres, as zonas erógenas principais são o clitóris e a vagina. O clitóris pode ser estimulado através de carícias ou toques em movimentos circulares. A vagina pode ser estimulada através do “ponto G”, com contração muscular ou penetração.

Já nos homens, as principais zonas erógenas estão localizadas no pênis, com a excitação podendo ser alcançada através de movimentos de fricção durante a masturbação ou penetração.

É importante lembrar que, não é por que uma determinada área é classificada como zonaerógena que ao ser estimulada gerará uma resposta de excitação no parceiro (a), afinal, o que pode ser intensamente excitante para uma pessoa pode ser muito desconfortável para outra.

É muito interessante que os parceiros sexuais não se limitem apenas a essas áreas, e que aproveitem todas as outras regiões, e que descubram suas próprias zonas erógenas.

Zonas Erógenas Secundárias

Essas são regiões do corpo que se tornam eroticamente sensíveis através da experiência e do aprendizado. As zonas secundárias aumentam a excitação das zonas primárias, mas não são necessariamente necessárias para atingir o orgasmo.

Tocar nas zonas secundárias é realmente uma questão de preferência pessoal sobre o que faz seu corpo formigar e desejar mais. A exploração de zonas erógenas menos conhecidas, como as zonas secundárias ou as zonas potenciais, também é uma ótima maneira de praticar a comunicação com o (s) seu (s) parceiro (s). Diga-lhe do que você gosta e do que não gosta, do que contrário não é possível saber.

 

Zonas Erógenas Potenciais

O objetivo das potenciais zonas erógenas é encontrar áreas do corpo que, quando tocadas, desencadeiam uma série de sensações excitantes. Você conhece o tipo – eles geralmente são descritos como arrepios ou raios viajando para cima e para baixo em seu corpo. As zonas potenciais variam de indivíduo para indivíduo e diferem em intensidade e localização.

Há uma forte dimensão erótica que acompanha a exploração de todas as partes do corpo de seu parceiro em busca de possíveis zonas erógenas. Divirta-se com isso!

 

As zonas erógenas são iguais em todo mundo?

Em teoria, as zonas erógenas são semelhantes entre as pessoas, mas mas cada individuo tem suas preferencias. Só porque um parceiro gostou de carícias no umbigo ou na parte interna das coxas, não que outros o sentem da mesma forma.

A comunicação entre o casal é essencial, por isso, é importante se atentar as reações durante os toques e beijos das preliminares.

Ao experimentar e encontrar as zonas mais sensíveis, o casal conseguirá desfrutar de uma experiência sexual elevada.

 

Como essas regiões se desenvolvem?

Algumas zonas erógenas são naturais, enquanto outras são adquiridas. Isso não significa que, se você tocar seus parceiros de uma determinada maneira, eles aprenderão a gostar disso de repente.

As zonas erógenas adquiridas começam na infância. Alguns estudos mostram que bebês que recebem mais abraços e beijos podem ter zonas mais erógenas do que bebês que recebem menos afeição. Zonas erógenas também podem mudar e evoluir ao longo da vida.

 

Eles sempre proporcionam prazer?

Depende do ciclo de resposta sexual e do estado de relaxamento durante as preliminares.
Todos nós temos aqueles dias em que estamos completamente estressados, ansiosos e não conseguimos desligar nossas mentes. O corpo reage a isso de maneira defensiva: em vez de dar prazer, tocar em zonas erógenas pode causar uma reação desagradável ou adversa.

Pode parecer que o toque faz sua pele se arrepiar, em vez da ótima e agradável reação “relâmpago”.

Por outro lado, se estiver relaxado e ansioso pela atenção do parceiro, tocar em nas zonaserógenas proporcionará mais prazer e excitação.

 

O que é preciso considerar

Não é segredo que as zonas erógenas são muito sensíveis antes do sexo.

Mas e depois? 

Após o orgasmo, essas mesmas áreas que proporcionaram tanto prazer podem causar dor quando acariciado, beijado ou tocado, principalmente  para a cabeça do pênis, clitóris e mamilos.

Pode ser útil que após o orgasmo, o casal tenha um período de “recuperação” em que os níveis de endorfina possam se recuperar até que os estímulos comecem novamente.

Uma boa recomendação é que o casal esteja disposto a descobrir as zonas erógenas de cada um, afinal, o nosso corpo possui uma vasta rede de estruturas responsáveis pela excitação e pelo orgasmo. Explorar é uma ótima maneira de aprender sobre os gostos e os desejos do parceiro, além de aproximar o casal emocionalmente.

Ao reservar tempo para se comunicar com gestos e palavras nas preliminares, o parceiro se compromete a construir um relacionamento físico, emocional e mental mais forte – algo muito valioso para relação depois do sexo.

Por isso é tão importante que o casal faça uso da comunicação e que consiga compreender quais são os desejos e medos do parceiro.

Uma boa alternativa para começar a aproveitar melhor o sexo e a companhia do parceiro pode ser o aconselhamento através da Terapia Sexual – uma excelente opção para refletir sobre o relacionamento, bem como sobre a sexualidade.

 A Terapia Sexual auxilia o casal a desfrutar de maior intimidade na cama, proporcionando uma conversa mais natural e sem julgamentos sobre o sexo.

Entre em contato e saiba mais sobre a Terapia Sexual: (31) 3097 1308 ou pelo site www.doutormax.com.br

Acompanhe os conteúdos sobre urologia e sexologia em minhas redes sociais:@doutormax

0 respostas

Deixe uma resposta

Participe da discussão.
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *