Entendo o orgasmo feminino: como chegar lá?

Compreenda os aspectos que envolvem a chegada ao clímax sexual.

O que é um orgasmo?

Os orgasmos podem ser definidos de maneiras diferentes usando critérios diferentes. Profissionais da área médica utilizam mudanças fisiológicas no corpo como base para uma definição, enquanto psicólogos e profissionais de saúde mental abordam mudanças emocionais e cognitivas.

Leia também:

– Por que não consigo chegar ao orgasmo com meu parceiro?

– Como a dispareunia pode atrapalhar a intimidade?

– Perda de libido: Fatores que podem influenciar o desejo sexual

Fases do orgasmo

Pesquisadores definiram orgasmos dentro de modelos encenados de resposta sexual. Embora o processo do orgasmo possa diferir muito entre os indivíduos, várias alterações fisiológicas básicas foram identificadas e tendem a ocorrer na maioria das vezes.

A seguir, conheça as diferentes fases do orgasmo feminino:

1. Excitação

Quando uma mulher é estimulada física ou psicologicamente, os vasos sanguíneos dentro dos genitais se dilatam. O aumento do suprimento de sangue faz com que a vulva inche e o fluido passe pelas paredes vaginais, tornando a vulva inchada e úmida. Internamente, o topo da vagina se expande.

ritmo cardíaco e a respiração aceleram e a pressão arterial aumenta. A dilatação dos vasos sanguíneos pode levar a mulher a parecer ruborizada, particularmente no pescoço e no peito.

2. Platô

Como o fluxo sanguíneo para o introito – a área inferior da vagina – atinge seu limite, ele se torna firme. Os seios podem aumentar de tamanho em até 25% e o aumento do fluxo sanguíneo para a aréola – a área ao redor do mamilo – faz com que os mamilos pareçam menos eretos. O clitóris recua contra o osso púbico, aparentemente desaparecendo.

3. Orgasmo

Os músculos genitais, incluindo o útero e o introito, experimentam contrações rítmicas em torno de 0,8 segundos de intervalo. O orgasmo feminino geralmente dura mais que o masculino a uma média de 13 a 51 segundos.

Ao contrário dos homens, a maioria das mulheres não tem um período refratário (recuperação) e, portanto, pode ter mais orgasmos se forem estimuladas novamente.

4. Resolução

O corpo retorna gradualmente ao seu estado anterior, com redução do inchaço e diminuição do pulso e da respiração.

O que realmente causa o orgasmo?

É comum afirmar que os orgasmos são uma experiência sexual, tipicamente experimentada como parte de um ciclo de resposta sexual. Frequentemente ocorrem após o estímulo contínuo de zonas erógenas, como genitais, ânus, mamilos e períneo.

Fisiologicamente, os orgasmos ocorrem após duas respostas básicas à estimulação contínua:

Vasocongestão: o processo pelo qual os tecidos do corpo se enchem de sangue, inchando em tamanho como resultado.

Miotonia: processo pelo qual os músculos ficam tensos, incluindo flexão voluntária e contratação involuntária.

Houve outros relatos de pessoas experimentando sensações orgásticas no início da medicina epiléptica, e amputados do pé sentindo orgasmos no espaço onde o pé deles estava uma vez.

As pessoas paralisadas da cintura para baixo também foram capazes de ter orgasmos, sugerindo que é o sistema nervoso central, e não os genitais, é a chave para experimentar orgasmos.

Desordens

Vários distúrbios estão associados a orgasmos.

A ocorrência dessas disfunções podem levar à angústia, frustração e sentimentos de vergonha, tanto para a pessoa que está passando pelos sintomas quanto para o (s) parceiro (s).

Embora os orgasmos sejam considerados iguais em todos os gêneros, os profissionais de saúde tendem a descrever os distúrbios do orgasmo em termos de gênero.

Transtornos que afetam o orgasmo feminino

Os distúrbios que prejudicam o orgasmo femininos centram-se na ausência ou atraso significativo do orgasmo após estimulação suficiente.

A ausência de orgasmos é também referida como anorgasmia. Este termo pode ser dividido em anorgasmia primária, quando uma mulher nunca experimentou um orgasmo e anorgasmia secundária, quando uma mulher que já experimentou orgasmos não pode mais. A condição pode ser limitada a determinadas situações ou geralmente pode ocorrer.

As disfunções sexuais femininas podem ocorrer como resultado de causas físicas, como problemas ginecológicos ou o uso de certos medicamentos, ou causas psicológicas, como ansiedade ou depressão.

Orgasmo e sociedade

A alta importância que a sociedade atribui ao sexo, combinada com nosso conhecimento incompleto do orgasmo, levou a vários equívocos comuns.

cultura sexual colocou o orgasmo em um pedestal, muitas vezes valorizando-o como o único objetivo para encontros sexuais.

No entanto, os orgasmos não são tão simples e comuns como muitas pessoas sugerem.

Estima-se que cerca de 10-15% das mulheres nunca tiveram um orgasmo. Nos homens, cerca de 1 em cada 3 relatos experimentaram ejaculação precoce em algum momento de suas vidas.

A pesquisa mostrou que os orgasmos também não são amplamente considerados como o aspecto mais importante da experiência sexual. Um estudo relatou que muitas mulheres acham que suas experiências sexuais mais satisfatórias envolvem um sentimento de estar conectado a outra pessoa, em vez de basear sua satisfação apenas no orgasmo.

Outro equívoco é que a estimulação peniana-vaginal é a principal maneira de homens e mulheres alcançarem um orgasmo. Embora isso possa ser verdade para muitos homens e algumas mulheres, grande parte delas experimentam orgasmos após a estimulação do clitóris.

Uma análise abrangente de 33 estudos com mais de 80 anos descobriu que durante o coito vaginal apenas 25% das mulheres experimentam consistentemente um orgasmo, cerca de metade das mulheres às vezes tem orgasmo, 20% raramente ou nunca têm orgasmos e cerca de 5% nunca têm orgasmos.

De fato, os orgasmos não necessariamente têm que envolver os órgãos genitais, nem precisam estar associados aos desejos sexuais, como evidenciado por exemplos de orgasmo induzido pelo exercício.

Outro equívoco comum é que as pessoas transexuais são incapazes de atingir o orgasmo após a cirurgia de mudança de sexo.

Outro estudo em 2014 mostrou que 82,4% das mulheres transexuais que participaram puderam atingir o clímax após a cirurgia. Outros 55,8% também relataram ter experimentado orgasmos mais intensos após o procedimento.

A jornada para um orgasmo é uma experiência muito individual que não tem uma definição singular e abrangente. Em muitos casos, os especialistas recomendam evitar a comparação com outras pessoas ou conceitos pré-existentes do que um orgasmo deveria ser.

Ao experimentar dificuldade em atingir o orgasmo, seja verdadeira com o(a) parceiro(o). Tente dizer a ele quais são suas preferências e como você sente melhor durante o encontro sexual. Além disso, uma boa opção é apostar na Terapia Sexual,que pode ajudar o casal a refletir e se abrir sobre suas preferências sexuais.

Saiba mais sobre isso pelo telefone: (31) 3097 1308 ou me acompanhe pelas redes sociais: @doutormax

0 respostas

Deixe uma resposta

Participe da discussão.
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *