Por que falar mais sobre sexo?

Por que você devia conversar mais sobre sexo:

Entenda como conversar mais sobre assunto pode transformar sua relação

Embora os problemas financeiros pesem muito na balança, questões relacionadas ao sexo e a sexualidade são responsáveis por grande parte dos casamentos em colapso. Uma das evidências disso, é que “problemas com o sexo” é o tema mais discutido nos fóruns de relacionamento online.

Mas por que será que é mais fácil conversar com um estranho sobre os problemas sexuais, do que abordá-los com o próprio parceiro?

Para responder a isso é preciso ter em mente que cada casal se comunica de uma forma diferente, com base em histórias e construções diferentes. E por isso, nem sempre a conversa deve acontecer no quarto, ela pode inclusive acontecer no tempo livre.

Independentemente da relação ou da forma como cada parceiro se sente à vontade para falar, conversar sobre a vida sexual é importante para a satisfação dos parceiros.

Para facilitar esse contato, vale apena apostar em algumas estratégias:

 

Leia também:

Você está num relacionamento sem sexo?

5 Dicas para melhorar seu relacionamento

Será que você está sabotando sua vida sexual?

 

Quando é o momento certo para falar sobre problemas na hora H?

  • É bom não falar sobe problemas sexuais no quarto ou na hora de dormir. Os parceiros devem escolher um lugar mais “neutro”. Além disso, é bom verificar se os filhos ou outras pessoas não estão ouvindo!
  • Não se deve julgar a performance logo após fazer sexo. Mais uma vez, é preciso escolher um momento mais “neutro”.
  • Não deixar o parceiro de lado. Se há algum tipo de incompatibilidade sexual é preciso contar ao parceiro delicadamente, sem julgamento ou culpa.

 

Como falar sobre os problemas?

Existem algumas etapas que quando seguidas facilitam as conversas para ambos os parceiros:

 

Começar devagar

É preciso tocar no assunto de forma suave, com o objetivo de se aproximar e se conectar com o cônjuge. A conversa não deve caminhar para o lado da culpa ou crítica, e sim, se concentrar nas ações necessárias para transformar a vida sexual.

 

Foco na intimidade

O afeto e a intimidade são tão importantes quanto a frequência sexual e devem ser lembrados durante a conversa. Existem maneiras de criar intimidade e de se sentir mais conectado além da relação sexual, por isso o casal não deve esquecer de dizer o que incomoda além da cama.

 

Evitar surpresas

Se o homem ou a mulher quer evitar mais problemas em sua vida sexual, não é uma boa ideia comprar livros de aconselhamento ou brinquedos sexuais sem discutir a questão com o parceiro anteriormente. É importante que os dois estejam de acordo e na mesma sintonia.

Se durante uma conversa sobre fantasias e desejos uma ideia como essa surgir, é preciso conversar sobre ela e pesquisar sobre o assunto juntos.

 

Se expressar

É importante que o casal converse frequentemente e de forma honesta sobre suas expectativas, medos, desejos e preocupações. É fundamental falar sobre os sentimentos mais íntimos, mesmo que não estejam relacionados ao sexo.

Dentro de uma relação saudável não há espaço para o medo ou julgamentos. Cada um deve se sentir livre para falar sobre o que gosta ou não.

Além disso, o diálogo deve ser contínuo e de preferência não muito longo. Não é necessária uma reunião de 2 horas: pequenos bate-papos de 15 minutos são suficientes.

 

Entender o estilo de cada um

Todos os casais desenvolvem o seu próprio jeito de se relacionar, que, inclusive, muda com o tempo. Mas como já diz o ditado: Vale tudo entre 4 paredes!

Explorar os mais diferentes “estilos sexuais” pode ser divertido e ajudar o casal a superar os desafios. Mas é importante que cada um saiba reconhecer a melhor forma de lidar com o parceiro e os limites da relação.

Entre os tipos mais comuns de conexão sexual, temos:

Espiritual: É uma união de mente, corpo e alma que reflete sua profunda apreciação de estar um com o outro. Pode ser criado observando os pequenos momentos da vida.

Engraçado: Esse estilo é quando se pode rir e se provocar na cama. É sobre se divertir juntos. Há um tom leve e brincalhão no envolvimento sexual.

Passional: Fazer amor mesmo quando irritado. Esse estilo pode ser apaziguador. No entanto, é preciso se certificar de que os problemas sejam discutidos e resolvidos.

Arrebatador: Esse estilo é sagaz e sedutor. Pode ser traduzido em ficar se olhando sedutoramente por horas ou tentar uma “rapidinha” em ambientes mais ousados. É também sobre a satisfação de fazer sexo apenas pelo prazer físico.

Suave: Esse estilo é o sexo suave e romântico, que envolve massagens, toques leves e a troca de carinho. Ambos gostam das sensações e se concentram em dar prazer um ao outro.

Fantasia: O estilo de fantasia é uma colaboração entre os parceiros para ousar e variar um pouco. É preciso ter cuidado ao compartilhar as fantasias sexuais e por isso, ambos precisam definir diretrizes e respeitar os limites um do outro.

 

Como o terapeuta sexual pode facilitar as coisas?

O mais importante dentro dessa discussão é entender que um bom relacionamento é feito de muito diálogo e compreensão. Afinal, ninguém nasce um bom amante, mas todos podem ficar bons!

Se você realmente deseja que seu relacionamento sexual atinja todo o seu potencial, reserve um tempo para conversar com o seu parceiro (a).

A comunicação é uma parte importante da construção de um ótimo sexo.

Essa conversa é necessária para todos os casais – sejam vocês namorados, recém-casados ​​ou de longa data. Ter uma vida sexual saudável é um grande presente que deve ser desfrutado e nutrido. É o que torna um relacionamento especial – mais do que um relacionamento amigável.

Além das dicas acima, existem diversas opções de tratamentos e acompanhamentos para ajudar o casal a dialogar sobre sexo. Mas eles devem ser guiados pelo terapeuta sexual.

Não importa qual seja o motivo que leve o casal a desejar uma vida sexual mais gratificante, é importante conversar e procurar alternativas. Todo relacionamento exige foco e dedicação.

Doutor Max é atualmente Médico no Hospital da Unimed e Hospital das Clínicas da UFMG, na Especialidade de Urologia.

É Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia (TiSBU), além de ser filiado a Sociedade Latino-americana de Medicina Sexual (SLAMS) e a Sociedade Brasileira de Sexualidade Humana (SBRASH).

Procure saber mais sobre Terapia Sexual e aconselhamento para o casal pelo telefone: (31) 3097-1308

Para ter acesso a mais conteúdos sobre Sexologia e Urologia, acompanhe nas redes sociais: @doutormax

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Participe da discussão.
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *