Masturbação e disfunção erétil

Masturbação pode causar disfunção erétil?

Algumas pessoas acreditam que a masturbação pode causar disfunção erétil, mas isso é um mito. A masturbação é uma atividade comum e benéfica.

Doutor Mas segurando um livro sobre Disfunção Erétil equanto responde a duvidas sobre o assunto

Durante a vida, boa parte dos homens pode apresentar algum grau de dificuldade em ter ou manter uma ereção. No entanto, quando esse problema se torna frequenta e começa a fazer parte do cotidiano, pode representar uma disfunção erétil (DE).

Saiba mais sobre disfunção erétil e masturbação, a relação entre pornografia e a função sexual, e quando consultar um médico no artigo abaixo.

Leia também:

 

A Masturbação pode causar Disfunção Erétil?

Não, a masturbação não pode causar Disfunção Erétil – trata-se de um mito.

A masturbação é natural e não afeta a qualidade ou frequência das ereções.

Pesquisas mostram que a masturbação é muito comum em todas as idades. Aproximadamente 74% dos homens relataram se masturbar, em comparação com 48,1% das mulheres.

Além disso, a masturbação pode trazer uma série benefícios para a saúde. De acordo com a Planned Parenthood, a masturbação pode ajudar a liberar a tensão, reduzir o estresse e ajudar no sono.

Após se mastubar, pode ser que o homem não consiga manter uma ereção imediatamente. Isso acontece devido ao período refratário masculino, e não significa um problema de Disfunção Erétil.

O período refratário masculino refere-se ao tempo de recuperação necessário para uma nova ereção após a ejaculação.

Notebooks e papéis sobre a mesa

O que dizem as pesquisas?

Universalmente, os pesquisadores estão confiantes de que a masturbação não causa disfunção erétil. No entanto, dificuldade em obter e manter uma ereção enquanto se masturba ou enquanto faz sexo pode ser um sinal de outras condições.

A idade é o fator mais significativo da disfunção erétil. Ela é comum em homens com mais de 40 anos, com aproximadamente 40% sendo afetados em algum grau.

As taxas de disfunção erétil completa, ou seja, a total incapacidade de obter uma ereção, aumentam de 5% em homens com 40 anos para 15% aos 70 anos.

  • Outros fatores de risco para disfunção erétil incluem:
  • Diabetes
  • Estar acima do peso
  • Doença cardíaca
  • Sintomas do trato urinário inferior (problemas da bexiga, próstata ou uretra)
  • Uso de álcool e cigarro

Disfunção Erétil em jovens

Embora Disfunção Erétil seja geralmente associada a homens mais velhos, um estudo de 2013 descobriu que até um quarto dos homens com menos de 40 anos já havia recebido o diagnóstico de Disfunção Erétil.

Em homens mais jovens, a DE tem suas causas mais prováveis em fatores psicológicos ou emocionais. Os homens mais jovens também têm níveis mais altos de testosterona no organismo e são menos propensos a outros fatores de risco.

A ansiedade sobre o desempenho sexual ou a qualidade da ereção pode levar a mais estresse, criando às vezes um “círculo vicioso”.

Fatores que podem contribuir para Disfunção Erétil em homens mais jovens incluem:

  • Estresse
  • Ansiedade
  • Depressão, transtorno de estresse pós-traumático, transtorno bipolar ou medicamentos para essas doenças
  • Estar acima do peso
  • Insônia ou falta de sono
  • Problemas do trato urinário
  • Lesão medular, esclerose múltipla ou espinha bífida
  • Trabalho estressante
  • Estresse no relacionamento
  • Ansiedade sobre o desempenho

Já falei detalhadamente sobre a Disfunção Erétil em Jovens no artigo: Fatores psicológicos podem levar a problemas de ereção.

Jovem rapaz mexendo em notebook

Pornografia e Disfunção erétil

Não existem evidências que sugiram uma relação entre assistir pornografia e o desenvolver Disfunção Erétil.

O acesso a pornografia tem aumentado com a internet, assim como a taxa de diagnósticos de Disfunção Erétil em homens mais jovens, abaixo dos 40 anos de idade.

Isso levou alguns pesquisadores a acreditar que a pornografia poderia afetar a capacidade dos espectadores masculinos de ter e manter ereções.

Embora seja verdade que o acesso à pornografia e os diagnósticos em homens mais jovens tenham aumentado aproximadamente ao mesmo tempo, isso não prova uma relação entre os dois.

Até recentemente, havia pouca pesquisa sobre disfunção erétil em homens jovens, tornando os números difíceis de interpretar. Além disso, devido a estigmas e relutância em falar com um médico sobre a saúde sexual, mais homens podem ter sido privados do diagnóstico.

Também é difícil separar o efeito psicológico de assistir a pornografia de outros fatores psicológicos, como a ansiedade de desempenho, por exemplo. Por isso, mais pesquisas devem ser realizadas para compreender a relação entre ambos.

Homem de meia idade conversando com um médico

Quando procurar ajuda médica?

A Disfunção Erétil às vezes é um sinal de condições subjacentes, como doença cardíaca ou ansiedade.

Procurar auxílio médico sobre a disfunção erétil também contribui para evitar problemas potenciais dessas condições, além de fornecer tratamentos para disfunção erétil.

Por exemplo, é possível que os homens diagnosticados com disfunção erétil e sobrepeso recebam a recomendação de perder algum peso. Isso ocorre porque manter um peso saudável pode aumentar os níveis de testosterona, o que facilita a ereção.

O médico especialista também pode recomendar técnicas de alívio do estresse ou terapia cognitivo-comportamental para aqueles que lidam com a Disfunção Erétil devido a problemas emocionais ou psicológicos.

É importante que ao reconhecer os primeiros sintomas, o homem procure auxílio médico para iniciar o tratamento o mais breve possível, evitando assim, maiores estresses.

Saiba mais sobre as opções de tratamento e a Terapia Sexual pelo telefone: (31) 3097-1308

Para ter acesso a mais conteúdos sobre Sexologia e Urologia, me acompanhe nas redes sociais: @doutormax

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Participe da discussão.
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *